Domingo, Setembro 11, 2005

Tempos Hipermodernos

Estive na FNAC da Barra da Tijuca (RJ) e aproveitei a promoção de alguns livros, entre eles: O que é Cultura de Terry Eagleton e Os Tempos Hipermodernos de Gilles Lipovetsky (foto). O livro de Lipovetsky é de 2004, portanto, atual no que se refere à edição francesa.
A obra é muito interessante pois coloca o termo hipermodernidade no lugar do difundido pós-modernidade. Apesar do título do blog incluir o termo pós-modernidade, não sou adepto de que vivemos num período pós-moderno. O título foi meramente didático e até mesmo, palatável.
Lendo o livro de Lipovetsky notei, pelo menos na minha opinião, várias nuances da Escola de Frankfurt. Não é para mim nenhum demérito tal influência, pelo contrário. Para o autor, vivemos em tempos de hipermodernidade, hiperconsumo e hipernarcisimo.
Concordo que a atual fase do capitalismo está ligada à uma etapa superior do seu desenvolvimento que se reflete numa dimensão acentuda da técnica e do consumo. Em suma: uma supervalorização do hedonismo niilista.
De modo geral, a tese Lipovetsky não é tão inédita assim mas pelo menos, foi o únicio que resolveu aprofundar a discussão propondo novas nomenclaturas para os fenômenos e inserindo a moda como componente da hipermodernidade.
O livro é interessante e fácil de ler para os que possuem alguma afinidade com as Ciências Humanas.